dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/07/2022            
 
 
    

Setor mais competitivo da economia nacional, o agronegócio representa hoje 20% do PIB. Sem ele, a balança comercial brasileira sofreria um baque: 41% das exportações vêm do campo, cuja expansão dependerá fortemente da produtividade nos próximos anos, de acordo com informações publicadas no site da Revista Exame.

Nos últimos anos, poucos países tiveram um crescimento tão expressivo no comércio internacional do agronegócio quanto o Brasil. O Brasil é um dos líderes mundiais na produção e exportação de vários produtos agropecuários. Atualmente, o Brasil assumiu o posto de segundo maior produtor de alimentos.

Para que o Brasil continue com o setor de agronegócio forte e em crescimento é fundamental que o próprio setor volte os olhos para a utilização, em caráter preventivo (antes de surgimento do conflito), e também sob o viés repressivo (quando o conflito for instaurado) para os “Métodos Adequados de Solução de Conflitos”, pois a confiança, a segurança e a celeridade são pontos fundamentais para a redução das incertezas dos negócios e a garantia de soluções adequadas.

O conflito, por si, é inerente e essencial à sociedade. A questão que se impõe é como os indivíduos e, por consequência, a sociedade resolve os seus conflitos.

Os “Métodos de Solução de conflitos” envolvem a conciliação, a mediação, a negociação e a arbitragem e, concomitantemente, tem-se a figura do Estado-Juiz, comumente personificado na figura do “Judiciário”.

Historicamente, desde os tempos remotos, as pessoas assumiam a posição de protagonistas na solução de seus conflitos, ou seja, voluntariamente negociavam, cediam e consentiam em busca de soluções, ou ao menos indicavam um terceiro para atuar como facilitador ou árbitro. No Brasil, não era diferente.

A ideia que “não tem problema, qualquer coisa eu lhe coloco na justiça e recorro até o supremo” gerou 100 milhões de processos.

Neste cenário surgiu a Arbitragem, introduzida no Brasil por meio da Lei n. 9.307/96. Em 2001 o Supremo Tribunal Federal declarou constitucional a referida lei e em 2006 o Brasil já figurava na quarta colocação em número de partes perante a Corte internacional de Arbitragem em Paris.

Atualmente, a pauta do Estado Brasileiro (Legislativo, Executivo e Judiciário) é o fortalecimento e o desenvolvimento dos chamados “Métodos Adequados de Solução de Conflitos (algumas vezes chamados de Métodos Alternativos de Solução de Conflitos)”. Além de Políticas Públicas voltadas ao desenvolvimento dos referidos métodos, duas importantes leis foram editadas recentemente: a Lei n. 13.129/15 , chamada Reforma da Arbitragem e a Lei n. 13.140/15, que dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública.

Não apenas as referidas Leis, mas o contexto jurídico é absolutamente favorável à aplicação dos “Métodos Adequados de Solução de Conflitos (Conciliação, Mediação, Negociação e Arbitragem)” no contexto do Agronegócio. Isto porque os envolvidos no conflito poderão optar por outras vias, sem que tenham que acionar o Judiciário para resolver os conflitos do agronegócio.

A título de exemplo, cite-se conflitos decorrentes de contratos agrários de parceria e arrendamento, financiamento rural, mútuo, disputas sobre commodities, compra e venda de insumos, direito de superfície, constituição de usufruto, divisões de terras e dissolução de condomínios que podem ser resolvidos pelos “Métodos Adequados de Solução de Conflito”. Do mesmo modo, disputas societárias decorrentes de estatutos, contratos sociais e acordos de acionistas, contratos de importação e exportação de commodities e outras questões patrimoniais podem ser solucionadas pela via da Conciliação, da Mediação, da Negociação ou da Arbitragem.

Os benefícios na busca por “Métodos Adequados” são evidentes: i) economia de tempo, pois certamente os procedimentos são mais céleres do que o processo judicial; ii) custo reduzido com o(s) procedimento(s) em comparação com o processo judicial; iii) construção da solução pelas partes;e iv) especialização – em agronegócio – para a apuração do conflito e, por consequência, decisões técnicas.

De modo que, o movimento dos “Métodos Adequados de Solução” de Conflitos é algo real e crescente, sendo importante que todos os envolvidos no Agronegócio tenham conhecimento do procedimento, dos benefícios e, principalmente, das matérias tratadas, a fim de que ocorra mais especialização e ganhos para o setor.
 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Visão Jurídica - Artigos já Publicados

Desoneração da folha de pagamento e o Agronegócio
14/07/2015

O protagonismo do Brasil depende do agronegócio e da abertura à renegociação
26/06/2015

Possibilidade de restituição do Funrural
26/08/2010

Conteúdos Relacionados à: Jurídico
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada