dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/07/2022            
 
 
    

 

Uma das mais versáteis e mais usadas energias na agricultura é a elétrica. A origem do termo eletricidade vem dos gregos, especificamente do filósofo Tales de Mileto que percebeu o fenômeno da atração eletrostática entre a pele de um animal e o âmbar (um tipo de resina vegetal fóssil), a palavra âmbar em grego é elektron, então Tales chamou esta “energia” atrativa de eletricidade.

A natureza elétrica da matéria se refere diretamente a estrutura dos elementos da natureza e de maneira bem simplista a origem da eletricidade se dá através do elétrons que são partícula carregadas negativamente que “orbitam” o núcleo do átomo (atualmente sabe-se que este modelo não é real, pois na verdade o elétron é uma nuvem de probabilidade que “orbita” uma região com densidade de probabilidade em torno de outra nuvem de probabilidade referente aos prótons e nêutrons).

Mas no contexto agrícola pode-se considerar que estes elétrons podem ser retirados destas órbitas, transformando-se em cargas livres. Se houver um caminho formado por átomos (condutor) que sofra uma mudança de configuração quântica entre as extremidades deste condutor, estas cargas livres entraram em movimento, perfazendo a famosa Corrente Elétrica (I), esta mudança de configuração quântica tem o nome de Diferença De Potencial Elétrico (DDP) e envolve um campo vetorial chamado campo elétrico.

A combinação entre a diferença de potencial elétrico (vulgarmente chamada de voltagem) e a corrente elétrica (vulgarmente chamada de amperagem) gera a Potência Elétrica (P) que é proveniente da Força Eletromotriz (EMF), ou seja a EMF é a relação entre a quantidade cargas elétricas em ação (energia elétrica) e a quantidade de trabalho (energia útil) que um dispositivo pode produzir.

Percebe-se que estes conceitos são amplamente utilizados na agricultura, pois a EMF é que faz com que motores elétricos atuem. É são a voltagem e amperagem que possibilitam que os sistemas de iluminação, controle e automação utilizados no mundo agrícola sejam operacionais e por fim é a energia elétrica (não importa se proveniente da rede de transmissão, de um sistema isolado de geração ou de uma bateria) que operacionaliza e possibilita a informática e assim todas suas benesses.

Segundo o IBGE (2006) 69,5% de todas as propriedades agrícolas brasileiras utilizam energia elétrica e 100% das agroindústrias empresariais tem acesso a esta fonte energética. Destes estabelecimentos agrícolas 68,02% tem fornecimento externo, proveniente de empresas distribuidoras. São geradores de sua própria energia elétrica 1,48% destes estabelecimentos e deste montante 0,62% produz energia elétrica através de fonte solar; 0,01% através de energia eólica; 0,14% através de energia hidráulica; 0,59% através da queima de combustíveis e 0,12% através de outras formas.

Um dado contraditório no panorama da eletrificação rural brasileira é que, embora aproximadamente 70% das propriedades rurais utilizem energia elétrica, a rede de distribuição de energia elétrica no Brasil segundo o Programa Luz para Todos (BRASIL, 2014) atingiu 99% das propriedades (com exceção da Região Amazônica).

Ou seja, há uma clara distorção no acesso a energia elétrica no meio rural. E uma hipótese para explicar isto é de que, estas 30,5% de propriedades rurais que não usam a energia elétrica, não o fazem por não terem como pagar a tarifa, pois sua capacidade de produção não gera recursos para arcar com a despesa da energia elétrica. Esta suposição remete a um ciclo negativo: não usa energia elétrica > porque não tem dinheiro > então não produz com eficiência/não tem dinheiro > porque não produz eficientemente > então não usa energia elétrica. Este ciclo tem que ser quebrado... a questão é... como?

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Thamiris Paiva
03/03/2015 - 11:51
Não podemos questionar os grandes avanços na agricultura moderna. A tecnologia impulsionou o Brasil em alguns setores, e a agricultura tem destaque nesse sentido. Temos que reconhecer que a produtividade aumentou bastante, contudo tais avanços não aconteceram iguais em todas as regiões brasileiras, tazendo consigo algumas diferenças que com o tempo só foram se agravando.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Energia na Agricultura - Artigos já Publicados

A agricultura e o desperdício de energia/alimento
26/11/2013

A energia da agricultura e a pegada ecológica
23/10/2013

As Eras Energéticas e a Agricultura
09/08/2013

Sustentabilidade, agroecossistemas e energia
06/02/2013

Petróleo na agricultura - Petroquímica
06/06/2012

Petróleo na agricultura - gás natural
27/02/2012

Petróleo na agricultura - diesel
02/12/2011

Petróleo na agricultura - Introdução
07/10/2011

Recursos energéticos e agricultura no Brasil
24/08/2011

Utilização de energia na agricltura - Parte IV
09/05/2011

Utilização de energia na agricultura – Parte III
14/03/2011

Utilização de energia na agricultura – Parte II
31/01/2011

Utilização de energia na agricultura - Parte I
28/12/2010

Tipos de energia utilizados na agricultura
22/11/2010

Na agricultura produzimos ou transformamos a energia?
14/10/2010

Conteúdos Relacionados à: Manejo
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada