dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/07/2022            
 
 
    

Conhecer como funciona a produção americana de feijão é uma experiência extremamente interessante. Afinal, para nós, é difícil imaginar como é ser produtor em uma região do mundo que tem um longo inverno, com temperaturas de até -40°C. O custo de produção parece ser menor que o nosso, mas são duas safras em dois anos contra cinco no Brasil. Porém, comparações são inevitáveis.

Nos Estados Unidos, produção está concentrada em feijões branco, preto e pinto beans.

Conscientes de que a organização é a chave para o crescimento da cadeia produtiva, os Estados Unidos têm ativas associações estaduais. A organização central é ligada ao USDA, que monitora oportunidades de negócios para a produção americana. Internamente, apoia as universidades na busca de aumentar o consumo nacional, e para isso, lança mão de tecnologias que resultam, até o momento, em centenas de produtos diferentes criados, de muffins a cereais matinais, passando por bebidas. Sim, bebida à base de feijão! Feijão como cereal matinal! Quem pensou que os tradicionais Sucrilhos dariam lugar ao feijão? Desidratados ou em farinhas, as saudáveis virtudes do feijão ganham o status de super alimento. E o consumo cresce. E cresce mais rapidamente que a produção.

Estrategicamente, os Estados Unidos disseminam pelo mundo as credenciais do nosso amigo feijão e desenvolvem novos mercados.

O que o Brasil não faria com apoio similar?

Aprender é evoluir. É perceber o privilégio que os brasileiros têm em ser os maiores consumidores de feijões do mundo e isso abre os olhos para possibilidades de aumento de consumo per capita. Se sem qualquer tipo de comunicação coordenada das virtudes do feijão o Brasil está aumentando a cada ano o consumo, o que se poderia esperar de se houvesse uma articulação mínima? A projeção oficial aponta para um aumento de consumo per capita e absoluto no país, que poderá elevar o consumo total a cerca de 4,4 milhões de toneladas em 2021/22. Se seremos mais ou menos dependentes das importações está também nas mãos de produtores, mas, acima de tudo, nas mãos de políticas minimamente inteligentes. Que aprendamos com nossos companheiros americanos!

É preciso refletir no modelo norte-americano. Caso o Brasil opte por continuar trabalhando sempre em emergências, assim como tem feito nos últimos anos, sem pensar na estratégia de médio e longo prazo, veremos as oportunidades escoarem entre os dedos. Já se perdeu muito tempo com discussões básicas. O preço de São Paulo ainda é tomado como referência, sendo que este preço diz respeito somente àquela cidade. A maior parte do ano, nem mesmo os empacotadores do interior do estado buscam abastecer-se na capital. Quanto produzimos de cada variedade, preto, carioca e vignas? Não se tem certeza... Outro desafio que a pesquisa não vence diz respeito à perda de cor do feijão carioca. E, se tem cor durável, o cozimento deixa a desejar. A mosca branca e a helicoverpa ainda têm presença constante nesse mundo brasileiro do feijão. Até quando? Por fim, nem precisamos aqui nos alongar quanto à verba sempre restrita. Se velhos problemas persistem, não temos como esperar inovações. Nem de trabalhar nelas. Quando os maiores consumidores de feijão do mundo desvendarão a receita do “muffin de feijão”? Será ele feito com farinha de feijão? Será que novidades assim não aumentariam ainda mais o consumo do produto?

A agenda estratégica da cadeia produtiva do feijão existe, mas está guardada nos computadores de alguém, como que a sete chaves. Por que é segredo? É sempre lembrada, mas não implementada. O que falta para que possa ser analisada e posta em prática?

Produtores e empacotadores precisam dar as mãos para atingir objetivos comuns. Onde esta o IBRAFE - Instituto Brasileiro do Feijäo? Cabe aos interessados injetarem recursos necessários, arregaçar as mangas e tomar as rédeas do futuro.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
José Garcia
09/10/2013 - 11:13
Falta estrutura, investimentos, gente trabalhando, concursos, contratações de pesquisa, extensionistas, fiscalização e etc. Falta investimento nesta area do agronegocio que representa nada mais que 30% do PIB do Brasil!

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Agronegócio do Feijão - Artigos já Publicados

Feijão: segundo semestre
17/08/2011

Feijão: por que os preços oscilam?
22/07/2011

Buscando maior consumo, IBRAFE monitora qualidade do feijão no Paraná
24/06/2011

Por que importar feijão preto?
23/05/2011

PEP e o Chinês
06/04/2011

AGF chega tarde
11/03/2011

Feijão: 2011 & La Niña
26/01/2011

De vilão da inflação a vilão do produtor
17/12/2010

Como encontrar o equilíbrio do mercado?
09/11/2010

O Brasil vai consumir menos feijão – Por que vai ficar caríssimo!
06/10/2010

O magnífico apelo do feijão
03/09/2010

Como diminuir o sobe e desce dos preços do feijão
23/08/2010

Feijão Paulistinha, uma boa saída para o mercado  
11/08/2010

Preços mínimos
08/06/2010

Informação correta é chave para estabilizar o mercado
10/05/2010

A solução para o mercado é a atenção do governo
12/04/2010

Conteúdos Relacionados à: Agronegócio
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada