dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/07/2022            
 
 
    

Com a chegada do período de chuvas na região do Brasil Central cessam as preocupações com os graves problemas das queimadas e dos incêndios florestais nos campos, que muitas vezes alcançam grandes proporções e causam sérios prejuízos econômicos, ambientais e sociais. Cabe, entretanto, perguntar: até quando, em toda estação seca na região, teremos que conviver com essas ameaças?

Extensas áreas de pastagens são queimadas causando a morte de plantas, aves e animais, inclusive de bovinos, já debilitados pela falta de alimentos nas pastagens degradadas, que predominam na pecuária extensiva da região. Toneladas e toneladas de gás carbônico são emitidas para a atmosfera, contribuindo significativamente para elevar ainda mais os índices de emissão desse gás de efeito estufa (GEE), que é tido como um dos principais responsáveis pelo aquecimento global e pelas mudanças climáticas.

 
 
Esta é uma situação caótica e recorrente, fruto da falta de consciência e preparo dos produtores rurais, do descaso e da omissão das autoridades públicas, e da falta de comprometimento da sociedade civil e das organizações não governamentais (ONGs).
 
Os produtores rurais não têm consciência dos riscos que a vegetação seca apresenta em relação à ocorrência de queimadas, em especial, as pastagens ressequidas em consequência da longa estiagem e a palhada que recobre o solo nas áreas sob sistema plantio direto (SPD).
 
Na maioria das propriedades rurais da região do Brasil Central, principalmente durante a estação seca, não se observa a utilização de aceiros e da queima controlada da vegetação das áreas que margeiam as estradas e rodovias para evitar o surgimento de focos de queimadas e seu consequente o seu alastramento por amplas áreas.
 
 
 
Nas pequenas propriedades, em especial nas áreas de assentamentos, ainda é comum o uso das queimadas para o preparo das áreas para o plantio dos cultivos de subsistência. Esta é uma prática centenária e enraizada na cultura do nosso homem do campo, mas o fato dela perdurar também é fruto do descaso e omissão dos órgãos competentes, em especial, o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).
 
Nas margens das rodovias federais e estaduais, nas áreas de domínio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e do Departamento de Estrada de Rodagem (DER), respectivamente, pode-se observar a vegetação seca ou tórrida, sem nenhum manejo (corte ou roçagem), constituindo-se num verdadeiro barril de pólvora, pronto para iniciar os focos de queimadas. 
É preciso reconhecer que esses são locais de trânsito de vagantes ou mesmo de pessoas de pouca educação, que acendem fogo para se aquecerem do frio da madrugada, utilizando capim e galhos secos da vegetação arbustiva, mas que não eliminam o fogo ao deixarem o local, ou atiram bitucas de cigarros ainda acessas. Então vem o vento e se encarrega de dar corpo e espalhar as chamas rapidamente. Em pouco tempo a catástrofe está instalada e a estrada fica coberta com tanta fumaça, que reduz a visibilidade dos motoristas e, muitas vezes acaba provocando graves acidentes de trânsito. 
 
Quando chamados à responsabilidade e dever de manter limpas as áreas de domínios das rodovias tais órgãos dão a velha desculpa que não tem recursos, como se tal argumento os eximissem da culpa. Recentemente produtores do Triângulo Mineiro conseguiram convencer o Ministério Público para marcar uma audiência pública com a participação destes órgãos, além da Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros e prefeituras municipais. 
 
Creio que essa pode seu uma iniciativa que desperta a consciência dessas autoridades e mobiliza o setor para que se discuta e envidem esforços visando à implantação de medidas preventivas, adotadas de forma coletiva, sistemática e participativa se, afinal, pretendemos ter um meio ambiente mais saudável. Iniciativas como essa contribuem para a construção da própria democracia, e vale lembrar que nesse sistema quem está organizado faz e quem não está pega feito e paga o preço.
 
 
Em muitos dos novos plantios florestais também não se nota a adoção de medidas de prevenção como as citadas anteriormente para as áreas de lavouras e de pastagens, além da construção de mirantes que permitem o monitoramento permanente, a longa distância, identificando focos iniciais de queimadas, possibilitando o deslocamento de patrulhas anti-incêndio, devidamente preparadas.
 
Será que os mentores e os responsáveis pelo Programa Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Programa ABC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento estão cientes dos riscos permanentes das queimadas para as pastagens na entressafra e para as áreas de lavouras conduzidas sob o sistema plantio direto, que se apresentam cobertas com palhada no período da seca? 
 
Será que têm idéia dos riscos dos incêndios florestais para as áreas de reflorestamento e de integração lavoura-pecuária-floresta, que foram financiadas com dinheiro público pela linha de crédito do referido Programa?
 
Cumpre ressaltar a necessidade da realização de uma campanha massiva e permanente de conscientização dos riscos das queimadas e da necessidade imperiosa da adoção de medidas de prevenção, de forma sistemática e coletiva, envolvendo os três níveis de governo: federal, estadual e municipal, as entidades representativas dos produtores, em especial a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e demais envolvidos do setor do agronegócio.
 
Vale sempre lembrar que é melhor prevenir do que remediar, visto que nesse caso o remédio chega sempre tarde, quando o paciente (a vegetação) já virou cinzas.
 

Artigo originalmente publicado em 26/10/2011

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Maurício Carvalho de Oliveira
27/10/2011 - 13:11
Senhor Ronaldo,
Seu artigo Ú de grande relevÔncia para as autoridades e para toda a sociedade, principalmente para n¾s que residimos na regiÒo do Cerrado. A pergunta Ú. AtÚ quando teremos que conviver com essa triste realidade dos incendios nesse bioma! Serß que todas essas instituiþ§es que vocÛ menciona em seu artigo nÒo sÒo capazes de minimizar esse quadro ca¾tico porque passamos? + preciso mais coordenaþÒo, Ú preciso de aþÒo no campo. DiscussÒo, reuniÒo sobre sustentabilidade, basta. Vamos por esses conceitos na prßtica como vocÛ sugere. ParabÚns!

Edmar Viana de Freitas
09/03/2014 - 10:51
Bom dia,
Vejam no Google "Queimadas no Brasil: Causa real nas rodovias"

No terceiro ano de divulgação vejam a entrevista no programa "NA ESTRADA" na Radio Band. SP, junto a Revista Caminhoneiro. No link abaixo é só fazer o download, no dia 09 de maio, está no 2º bloco aos 06 minutos do programa.

Outro link de uma cartilha educativa do DNIT, indicando escapamentos de veiculos pesados movido a diesel, como uma das causas de queimadas.

http://radiobandeirantes.band.uol.com.br/conteudo.asp?PDT=65

http://br050.com.br/pdf/cartilha.pdf
Edmar - Itabira - MG 31-97224529

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Sistemas Sustentáveis de Produção - Artigos já Publicados

Mecanização Agrícola na Agricultura Familiar
20/01/2014

Integração lavoura-indústria-pecuária contribui para agricultura de baixo carbono
18/09/2013

PD: efeito da palhada no manejo do mofo branco da soja e do feijão
03/09/2013

Aprovada Lei que institui a Política Nacional de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
20/04/2013

Florestas plantadas no Distrito Federal
26/03/2013

Manejo da fertilidade do solo para altas produtividades
16/02/2013

O papel do Brasil na produção sustentável de alimentos e agroenergia
07/12/2012

Sustentabilidade do agronegócio brasileiro e o Código Florestal
03/12/2012

Florestas plantadas no Distrito Federal
31/10/2012

Importância da palhada no Plantio Direto: faça chuva ou faça sol
24/09/2012

Economia Verde e a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
27/08/2012

A falta de Seguro Agrícola pode ameaçar o sucesso do Programa ABC
19/03/2012

Sistemas sustentáveis de produção
07/02/2012

Economia Verde e o Sistema Plantio Direto
05/12/2011

Novo Código Florestal brasileiro: 1ª batalha - vitória do bom senso e da democracia
10/06/2011

Código Florestal brasileiro: dois pesos e duas medidas
15/04/2011

Contribuição do Sistema Plantio Direto para a redução da incidência da soja louca II
28/02/2011

Contribuição do Plantio Direto para a melhoria da qualidade da água
24/01/2011

Prevenção e controle das queimadas
01/11/2010

Um inimigo cruel das áreas de Plantio Direto e de Integração Lavoura-Pecuária
01/10/2010

Desafios para a implementação do programa Agricultura de Baixo Carbono
03/09/2010

Programa Agricultura de Baixo Carbono e o Sistema Plantio Direto
23/07/2010

Vazio Sanitário versus a produção de palhada para o Sistema Plantio Direto
09/07/2010

Capacitação da Assistência Técnica em ILPF e SPD
11/05/2010

Plantio Direto de qualidade ganha incentivos
08/04/2010

Manejo de doenças e pragas no Sistema Plantio Direto
02/03/2010

Serviços ambientais gerados pelo Sistema Plantio Direto
30/01/2010

Sistema Plantio Direto
18/12/2009

Sistemas Sustentáveis de Produção Agrícola
04/11/2009

Conteúdos Relacionados à: Agricultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada