dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/07/2022            
 
 
    

  

As etapas básicas do processo de planejamento e exportação de produtos do agronegócio brasileiro já foram frutos de debate em edições anteriores. Um fluxograma padrão contempla desde questões referentes à pesquisa de mercado, ao cadastramento no registro de exportadores e importadores (REI) e à obtenção da senha de acesso ao SICOMEX até o embarque e a averbação da mercadoria e o pagamento por parte do importador. Dada a complexidade do processo, vale a pena bater mais vezes nesta tecla para esmiuçar as peculiaridades dessas etapas.

Mas, apesar da importância incontestável destes conceitos primários, o foco do trabalho de hoje será uma questão de suma importância para uma estratégia internacional (e mesmo nacional) bem sucedida: a logística. Este “milagre” da gestão empresarial trata das atividades referentes ao fluxo de produção e informação e à armazenagem dos produtos, indo da aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final. E, como era de se esperar, tal fenômeno vem recebendo destaque crescente nos fóruns de discussão acadêmica e empresarial. O nível de tecnologia agregado aos processos logísticos é tamanho que, graças a ele, a delicada uva do Submédio São Francisco, por exemplo, pode viajar sem problemas 40 dias em um contêiner para o Porto de Sydney, Austrália.

Nem tudo são flores, todavia. Recentemente, houve o anúncio de redução de investimentos nos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e dos Transportes, o que implica sobremaneira em políticas agrícolas precárias e dificuldades no escoamento das safras. O modal marítimo, bastante utilizado na exportação do agronegócio, encontra uma infra-estrutura precária nos pátios dos portos ou tributos para lá de desanimadores. Vejamos o caso da soja brasileira. O País produz cerca de 58 milhões de toneladas ao ano; a metade disto é exportada a um custo logístico muito elevado. Compare os U$ 70 dólares por tonelada no Brasil com os U$ 9 dólares nos Estados Unidos. Faltariam políticas públicas do governo e cooperação e associativismo entre os produtores? Fica a reflexão.

Deixemos os modais e a infraestrutura de transporte para uma próxima oportunidade. Vamos em direção a um tópico mais operacional e igualmente relevante: atenção às embalagens. O produtor deve estar atento a aspectos importantes no tocante à preparação da mercadoria para exportação. Questões como o controle da qualidade das embalagens utilizadas para transporte e apresentação ao consumidor final merecem especial atenção, sobretudo no caso de perecíveis. Exigências do mercado internacional (vide certificações como o Global Gap) tanto ao cumprimento da legislação dos países importadores, quanto à adaptação da aparência externa ao gosto do consumidor local e à valorização da imagem do país e da empresa no exterior devem compor a pauta de decisão do exportador.

Em geral, as mercadorias são embaladas pelo vendedor, que analisa a proteção durante o transporte e a movimentação, o armazenamento, a comercialização e o consumo. A marcação dos volumes e a rotulagem da mercadoria são do mesmo modo importantes. No embarque e no desembarque, sua função é individualizar as mercadorias, facilitando a identificação por parte do importador e das autoridades fiscais e alfandegárias. Exemplos de marcação consistem particularmente nos símbolos de frágil, de sensibilidade ao calor ou à umidade ou mesmo de impossibilidade de usar guincho. Isso remete o pensamento às embalagens de transporte e à unitização ou alocação de um conjunto de mercadorias em uma única unidade. Suas dimensões são padronizadas e facilitam as operações de movimentação mecanizada da carga. Três tipos são mais frequentemente utilizados:

1) Pré-linhagem (também chamada de amarração ou cintamento) que permite, por içamento, o movimento da carga, desde que adequadamente envolvida por redes especiais;

2) Paletização ou uso de plataforma de madeixa que suporta a carga e permite sua movimentação com uso de empilhadeira;

3) Conteinerização, que consiste em dispor a carga em um recipiente chamado contêiner, o qual suporta uso repetitivo e é destinado a propiciar o transporte de mercadorias com inviolabilidade e velocidade.

Assim como a embalagem, as decisões de transporte para exportação podem ser decisivas para o êxito das operações dos produtores. O frete, quer seja marítimo, aéreo, ferroviário ou rodoviário, tem seus custos influenciados pelo tipo de carga, peso, volume, localização dos pontos de embarque e desembarque, entre outros. O pagamento pode dar-se pela modalidade freight prepaid (pago no local de embarque) ou freight collect (pago no local de desembarque). Dando continuidade às reflexões sobre a logística internacional do agronegócio brasileiro, trato destas e de outras peculiaridades do transporte na próxima edição.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Comércio Exterior - Artigos já Publicados

Modalidades de financiamento
16/08/2010

Modalidades de pagamento e os interesses entre exportadores e importadores
07/04/2010

Lobos, cordeirinhos e formas de comercialização
04/03/2010

Estratégia Internacional e Comércio Exterior
27/01/2010

Conteúdos Relacionados à: Agronegócio
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada